Transplante Capilar em Belém

O que é o transplante capilar em Belém

Entre tantas cirurgias estéticas, o implante de cabelo em Belém distingue-se como sendo um procedimento destinado a tratar a queda de cabelo. Ele supõe a extração dos folículos capilares de uma área saudável, que continuará a crescer normalmente, para as áreas necessitadas que apresentem calvície ou falta de densidade. Os transplantes capilares são uma forma quase indolor e eficaz de tratar a calvície e por ser procedimento ambulatorial não requer hospitalização, sendo fácil para o paciente voltar à sua vida diária.

O transplante capilar é a cirurgia ideal para as pessoas que sofrem de queda de cabelo ou que não têm a densidade de cabelo desejada. Geralmente ocorre na cabeça, mas também pode ser necessário em muitas outras partes, podendo ser realizado na barba, cílios, sobrancelhas e corpo. Essa queda de cabelo pode ser causada por uma cicatriz feita anteriormente, ou pela conhecida alopecia. A alopecia pode apresentar-se de diferentes formas, algumas das quais elegíveis para um implante capilar. Entre estes tipos, temos os que dependem da causa, tais como:

  • Alopecia androgenética: Este é o tipo de alopecia mais comum, representando a maioria dos casos tanto em homens como em mulheres com menos de 30 anos e em pessoas mais maduras. É principalmente devido à herança genética da pessoa, que produz um excesso de hormônios masculinos chamados hormônios andrógenos, que promovem a queda de cabelo. Nos homens, que são as suas principais vítimas, podem ser observadas perdas principalmente na parte da frente do cabelo, além de uma diminuição geral da densidade dos fios. Por sua vez, as mulheres afetadas por este tipo de alopecia têm normalmente apenas baixa densidade, e normalmente perdem-se primeiro na parte central da cabeça e não nas entradas.
  • Alopecia areata: Sendo também muito comum, embora não tanto como androgenética, este tipo de alopecia surge principalmente devido ao stress, afetando os folículos capilares e fazendo-os cair, não voltando a crescer novamente. Por sua vez, pode ser causada por doenças autoimunes, como lúpus, diabetes tipo 1 e doença da tireoide.

Além destas, temos outros tipos de alopecia como:

  • Alopecia difusa: Sob o nome de alopecia telógena, distingue-se por não ter qualquer padrão específico, pois apenas ataca a densidade do cabelo e afeta a sua saúde. De modo que o cabelo fica débil e fino, sem qualquer força para se manter, caindo em torno do couro cabeludo sem apresentar falhas e, uma vez caído, não volta a crescer.
  • Alopecia cicatricial: As consequências deste tipo de alopecia são maiores, e mais dolorosas, pois o couro cabeludo é substituído por tecido cicatricial, apresentando inflamação, vermelhidão, escamação e ardor.
  • Alopecia por tração: É causada não pela genética ou pelo estado físico ou psicológico da pessoa, mas pelos hábitos que a pessoa pode ter, como usar penteados com muita tensão que esticam o cabelo com força durante muito tempo. Quando essa persiste o cabelo não resiste e se solta do couro cabeludo.

Os tipos de alopecia também podem ser determinados a partir das áreas que ela afeta, como exemplo temos a alopecia totalis, que atinge apenas a cabeça e é geralmente a mais conhecida; a alopecia universalis, onde o cabelo se perde igualmente em todo o corpo de forma igual e não apenas numa parte específica; e a alopecia barbae que se apresenta como falhas de calvície ou falta de fios na barba.

No Brasil, metade dos homens com menos de 30 anos de idade têm alopecia, esse número aumenta para 8 em cada 10 homens em pessoas com idade avançada. Geralmente 40% das mulheres também sofrem com esse mal. As causas que podem resultar nos tipos de alopecia acima mencionados, além de problemas hormonais, stress ou doença, podemos também nomear o excesso de óleo nos folículos capilares, o que facilita a queda do cabelo. Há ainda a má alimentação, pois para que os cabelos permaneçam saudáveis e fortes é necessário que a pessoa consuma as vitaminas e proteínas em quantidades certas, sem estas o cabelo torna-se frágil e fraco.

A alopecia pode também resultar do uso excessivo de bonés e outros acessórios, dos penteados já mencionados, da utilização de tinturas ou outros produtos nocivos ao cabelo. Podem encontrar-se mais atividades que podem comprometer a saúde do cabelo, como o calor excessivo aplicado com o uso de secadores de cabelo, o que pode afetar a saúde do cabelo a longo prazo.

Para prevenir ou deter os efeitos da calvície por estas razões, a pessoa deve concentrar-se em comer os alimentos certos, com proteínas suficientes e vitaminas como a B3 e a B12; reduzir ao máximo o stress, procurando ajuda de profissional, realizando atividades ou técnicas calmantes; e mantendo um cuidado adequado do cabelo, utilizando apenas produtos benéficos para a saúde capilar.

No entanto, a alopecia nem sempre pode ser evitada ou completamente interrompida, especialmente se as razões estiverem fora do controle de uma pessoa, seja de ordem genética, doença ou tratamentos como a quimioterapia ou a radiação. Assim que surgem os sinais de calvície, existem opções como cremes ou loções que estimulam o crescimento. Caso não funcionem os demais tratamentos, a técnica que melhor apresenta resultados desejados é o transplante capilar em Belém.

Quais são as técnicas de implante capilar em Belém

Como existem diferentes tipos de alopecia, com padrões e características específicas, assim como a sua aparência pode estar em várias partes do corpo, nem todos os procedimentos relativos a esta cirurgia são semelhantes. O transplante capilar é um tratamento minimamente invasivo centrado no transporte de folículos capilares saudáveis da área doadora para a área receptora, onde os poucos fios estão debilitados e sem possibilidade de crescimento. As técnicas que podem ser utilizadas para implante de cabelo são:

  • Técnica FUT: É a que procura a doação de unidades foliculares através da extração de uma tira, normalmente, e na maioria dos casos, retirada da parte posterior da cabeça, onde existem fios saudáveis. Em primeiro lugar, o cirurgião fará uma incisão e procederá à remoção da tira do couro cabeludo, fechando-a posteriormente com alguns pontos. Após retirada, cada uma das unidades foliculares será dividida, para que possam ser inseridas uma a uma nos seus locais de destino, na área receptora. Assim, a densidade aumenta no local necessitado e o resultado é um cabelo com aparência mais abundante, com uma cicatriz quase invisível.
  • Técnica FUE: Com o nome de Follicular Unit Extraction ou Extração da Unidade Folicular, a diferença entre a anterior e esta reside na extração das unidades capilares do couro cabeludo. Porque nesta as unidades são removidas cada uma diretamente de forma individual e não numa faixa a ser dividida posteriormente. A área deve ser raspada antes disso, são necessárias minúsculas incisões para os microenxertos realizados.
  • Técnica DHI: Finalmente, existe a técnica de Direct Hair Implantation ou Implantação Direta do Cabelo, onde os folículos também são extraídos um a um. Mas, nesse caso, através de uma ferramenta conhecida como Implanter, com a qual são feitas pequenas incisões. Esta técnica é considerada mais avançada porque se tem maior controle sobre a direção, ângulo e profundidade dos enxertos colocados na zona receptora. Além disso, as unidades foliculares ficam menos tempo fora do couro cabeludo, o que permitem uma melhor e mais forte adaptação ao couro cabeludo do que os que passam mais tempo fora. Também não é necessário raspar a área antes de remover e implantar os fios.

Cada técnica possui suas vantagens e desvantagens, por isso o cirurgião indicará ao paciente a melhor opção para que se possa obter o melhor resultado em função das suas necessidades específicas.

Quem pode fazer um transplante capilar em Belém

Para solicitar um implante capilar, o paciente deve ter um certo grau de alopecia e ter sido afetado pelas razões para tal, pelo que a pessoa terá baixa densidade ou falhas de calvície em torno do couro cabeludo. No entanto, existe um perfil ideal de paciente para garantir um resultado ótimo e cirurgia de implante de cabelo em Belém possa resolver permanentemente os problemas no seu cabelo. Estes requisitos são:

  • Idade: Embora seja possível a participação de pessoas mais jovens ou mais velhas num transplante capilar, o intervalo preferido nesta operação situa-se entre os 30 e 45 anos. E se o transplante for realizado mais cedo, a calvície pode não estar completamente definida e o paciente pode observar uma queda de cabelo mais tarde na vida; e para pessoas com mais de 45 anos, a cirurgia pode não ser suficiente, não permitindo uma recuperação completa da densidade.
  • Área doadora abundante: Para que a área receptora receba uma quantidade razoável de folículos capilares, a área doadora deve ser suficiente para fornecer os enxertos, se ser afetada. Sem esta doação, a pessoa não tem como dispor dos fios necessários às partes calvas do couro cabeludo, fundamentais para um resultado exitoso.
  • Boa saúde: Não é apenas um requisito neste tipo de cirurgia, mas em qualquer tipo de intervenção cirúrgica, uma vez que podem ocorrer complicações e reações adversas durante a operação. Um paciente considerado ideal é aquele não apresenta condições de comprometer o procedimento, como ter reações adversas à anestesia ou ser vulnerável a problemas de cicatrização ou infecções.
  • Sem doenças: Os tipos de alopecia que não podem ser tratados num implante capilar são aqueles cujas causas são externas à saúde do paciente e, mesmo que a calvície seja tratada por este procedimento, a queda de cabelo continuará após o transplante. Porque o problema principal, como o stress, ou perturbações como a tricotilomania, não foi tratado. Recomenda-se que a pessoa controle esses inconvenientes e observe se há melhora na alopecia antes de considerar um implante de cabelo em Belém.

 Antes de um transplante capilar em Belém

Uma vez determinado que o paciente pode continuar com o procedimento, inicia-se a fase pré-operatória, onde os preparativos que conduzem à cirurgia são tão importantes quanto ela e o pós-operatório. Porque essa que determinará a saúde da pessoa no momento do implante capilar em Belém e sua capacidade de lidar com a intervenção. O processo pré-operatório começa com uma série de testes de avaliação capilar, dos quais se destacam:

  1. Tricoscopia: Parte essencial do diagnóstico da alopecia, envolve a análise capilar sob um dispositivo que permite obter as informações necessárias sobre o estado do couro cabeludo. Não é necessária qualquer preparação prévia, e esta é feita “a seco”, apoiando o dispositivo diretamente no cabelo, ou utilizando um gel ou líquido especial para ajudar na análise.
  2. Tricograma: Esta é outra forma de analisar o cabelo de um possível paciente. Nesse caso, será necessário coletar uma amostra, ao contrário da tricoscopia, em que não é removido nenhum fio de cabelo. Esta amostra é colocada sob um microscópio, prestando atenção à sua forma e integridade. Algumas vezes é necessário apenas cortar o cabelo, enquanto em outros casos, a raiz também deve ser observada, a amostra deve ser cuidadosamente removida.

Além destes, o cirurgião pode também solicitar uma análise de sangue para monitorizar os níveis de glicose, sódio, potássio, testes de hepatite e SIDA e da hemorragia que pode ocorrer durante a cirurgia. O histórico médico do paciente também é observado, uma vez que a sua história familiar é um fator importante na alopecia.

É necessário que o paciente ajuste os seus hábitos diários antes de um transplante capilar em Belém, como deixar de fumar uma semana antes, caso a pessoa seja fumante, não consumir álcool ou bebidas com cafeína ou nicotina. Deve-se consultar com o médico se pode continuar a tomar medicamentos ou os mesmos devem ser suspensos. Também é bom evitar aplicar produtos no cabelo, como gel ou spray, bem como soluções tópicas, como Minoxidil, uma vez que isso pode causar hemorragias exageradas.

Recomenda-se que o paciente não faça exercícios exaustivos como cardio, mas que comece a massagear a área onde serão transplantados os fios, com movimentos horizontais e verticais, para estimular a mesma. Isso garantirá que o couro cabeludo esteja em bom estado sem qualquer tipo de alteração, uma vez que isso poderia causar a suspensão da cirurgia.

No dia da operação o paciente deve estar em jejum, sem consumir nenhum tipo de bebida ou comida, e a sua última refeição deve ter sido leve, fácil de digerir, para que a intervenção seja muito mais segura para o paciente.

Depois de um transplante capilar em Belém

Como é conhecido, o implante capilar é uma operação ambulatorial onde o paciente não será hospitalizado e poderá voltar para casa no mesmo dia da cirurgia. Assim, começa o processo de pós-operatório, importante para determinar o resultado do transplante capilar em Belém. É importante que a pessoa siga as recomendações para cuidar da sua saúde e do estado da área a ser tratada. Assim, a evolução do pós-operatório seria a seguinte:

  • Primeiros dias: O couro cabeludo ou a área tratada ficará inflamada e poderá ocorrer algum desconforto. O paciente deve evitar tocar nessa área ou esfregá-la com qualquer objeto, e deve manter a cabeça elevada, especialmente quando dorme, para que a anestesia possa ter efeito durante a primeira noite. No segundo ou terceiro dia terá de voltar para um check-up, onde as ataduras colocadas após a operação serão retiradas, e o cabelo poderá ser lavado pela primeira vez.
  • Primeiras semanas: podem aparecer algumas crostas na zona devido às incisões, que durarão algumas semanas até cair naturalmente, pelo que não há grande preocupação. Também poderá ser sentida comichão no couro cabeludo. A partir das primeiras semanas, o paciente poderá voltar às suas atividades habituais, como o trabalho, e recuperar a sua rotina diária.
  • Primeiros meses: Nesta altura, os cabelos começarão a crescer naturalmente, aumentando pouco a pouco a densidade do cabelo. No entanto, é apenas no quarto mês que os cabelos começam a crescer mais fortes e resistentes, de forma definitiva.

Com o passar do tempo, o paciente poderá ser autorizado a cortar o cabelo, consumir álcool e tomar medicamentos como os acima indicados. Assim, bastará apenas aguardar os resultados do implante de cabelo em Belém.

Quando aparecem os resultados do transplante capilar em Belém

Um ponto a salientar em relação ao implante capilar em Belém, é que os resultados são tardios, não obtidos logo após a cirurgia. Isto acontece porque o cabelo tem de atravessar o ciclo de crescimento e queda para que se torne mais forte e semelhante aos da área doadora. Desta forma ele será mais resistente às quedas, para que o paciente possa se beneficiar da operação, deve esperar de 11 meses a um ano pelo resultado final desejado.

Apesar da espera, o transplante capilar em Belém é uma operação que proporciona resultados eficazes e naturais no couro cabeludo ou em qualquer uma das áreas que irão ser tratadas. Por este motivo, funciona como uma solução ideal para a alopecia e a calvície em geral.

Riscos de implante de cabelo em Belém

Embora muitas outras cirurgias estéticas envolvam riscos maiores do que um transplante capilar, as poucas complicações que podem ocorrer neste tipo de operação não devem ser ignoradas, ainda que a gravidade das mesmas não seja motivo de preocupação. Entre os riscos possíveis estão:

  • Má cicatrização: A cicatrização é importante para a cura, mas se surgirem complicações, essa cicatriz pode ficar mais evidente que o normal. A maioria das vezes isso pode acontecer com a técnica da tira ou FUT, já que é a que tem a ferida mais extensa; nas técnicas FUE e DHI, isso é muito pouco provável que ocorra e normalmente aparecem apenas crostas.
  • Infecções: Envolvendo esta mesma incisão, como em qualquer cirurgia, existe a possibilidade de uma infecção, que pode complicar o pós-operatório. O foco deve ser o tratamento desta complicação para que não fique pior, fazendo com que demore mais a cura completa.
  • Perda de sensibilidade: Na extração dos folículos capilares, pode acontecer de se atingir alguns nervos do couro cabeludo, levando à perda de sensibilidade que é sentida por alguns pacientes. Para a maioria das pessoas essa perda é temporária, mas em alguns casos pode ser permanente ou mais difícil de recuperar, se tornando um risco maior. No entanto, não é muito provável que isso aconteça.
  • Edemas faciais: Sendo também uma complicação temporária, esses edemas faciais surgem como inchaços no rosto devido ao soro fisiológico injetado para substituir o sangue perdido. Isto, ainda que seja possível e de baixo risco e raro.

Pontos importantes sobre o transplante capilar em Belém

  • O implante capilar é uma operação simples, de baixo risco e fácil recuperação. No entanto, alguns fatores podem também complicar a sua realização. Como podemos notar nos casos de calvície total, onde toda a zona é calva, isto é não existe uma zona dadora. Mas isso pode ser resolvido retirando os folículos capilares de uma parte distante do corpo, seja dos braços, do peito e até da zona púbica.
  • O cabelo liso pode ser uma vantagem em alguns casos, como quando se utiliza a técnica DHI, onde podem ser inseridos os fios mais facilmente. No entanto, o cabelo encaracolado dá um melhor resultado, especialmente se forem escuros e grossos, além de apresentar um aspecto mais denso do que os fios finos e claros.
  • Não há possibilidade de queda de cabelo após um implante de cabelo em Belém. Isto porque serão transplantados folículos capilares saudáveis que crescerão normalmente, sendo mais resistentes aos hormônios que promovem a sua queda.

 

Puntuación
[Total: 0 Puntuación: 0]